História da Psicologia

Psicologia tem um longo passado, porém, uma curta história

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Introdução

E-mail Imprimir PDF

Por Edvaldo de Oliveira Leme, R.N.C., A.D.O.N./L.T.C.

No ano de 2011, a psicologia como uma disciplina formal completou mais de 100 anos. Ao invés de um ou dois movimentos dominantes, partes de muitos movimentos passados – behaviorismo, teoria psicanalítica, humanismo, e a perspectiva cognitiva – são, hoje, estudados e expandidos por psicólogos. Também, psicólogos tem recentemente tentado entender o fenômeno psicológico no contexto da evolução ou no contexto de diferentes culturas. Dado a história da psicologia, não deveria vir como surpresa, que correntemente, não existe uma abordagem dominante em uso. Psicologia tem sido sempre um assunto que envolve muitas raízes, muitas outras áreas e abordagens, e pelo menos, aparentemente, está destinada a continuar dessa maneira.
Nas páginas que seguem, listei em ordem cronológica, as informações por mim compiladas. Sempre que possível, e disponível na literatura de referencia, eu inseri dias e meses para uma melhor aproximação. Porém, a maioria dos textos que revi sobre a história da psicologia não conta com o benefício de tal precisão, aliás, muitas vezes tive que satisfazer-me com o notório “ c.” , ou utilizar-me apenas da descrição do século em que algo ocorreu. O leitor notará que será difícil saber em qual dia ou mês um dado evento ocorreu, isto se dá pela falta de informações disponíveis.
Fica aqui meu convite aos leitores deste trabalho, a enviar-me suas sugestões, novas inclusões à linha do tempo. Gentilmente peço aos leitores que se utilizem de meu e-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. para estabelecer comunicação comigo, enviar críticas, sugestões e novo material a ser incluído nas próximas edições. Saibam que esta linha do tempo tornou-se uma agradável compulsão que não combaterei com qualquer tipo de terapia, pois, estou de total, apaixonado pela psicologia e sua história.

Com esta historiografia eu tenho a intenção de prover uma boa visão a respeito das importantes publicações e eventos que marcaram a história da psicologia, assim como, outros eventos que aconteceram na história da humanidade que possuem elos, mesmo que remotos, à história da psicologia. Foram incluídas informações nas áreas teologia, filosofia, medicina, fisiologia e tudo aquilo que o autor julgou pertinente para apoiar a construção de uma linha do tempo sobre esta importante disciplina.

Foi utilizado o método de pesquisa bibliográfica, em uma incansável busca por dados históricos que pudessem contribuir com o enriquecimento deste trabalho. Quando possível menção da fonte foi adicionada, principalmente aos textos mais extensivos.

Ao trabalhar neste projeto, o autor logo se conscientizou de que, primeiramente, a pesquisa da história da psicologia é apaixonante, e em segundo, porém, não último lugar, ele jamais conseguiria chegar a um produto final, pois, a história não parece possuir um começo, e certamente, não pode possivelmente existir um fim.

Muito como a história da humanidade, esta historiografia continuará a se expandir indefinidamente. O autor continuará a adicionar informações importantes e pertinentes ao entendimento psicologia, e a publicará neste meio de divulgação accessíveis à maioria, pois, o conhecimento é um patrimônio da humanidade.

"Psicologia tem um longo passado, porém, uma curta história"

Esta frase dita por um experimentalista alemão chamado Hermann Ebbinghaus, sugere uma idéia chave a respeito da história da psicologia: embora a psicologia seja relativamente nova como uma disciplina acadêmica, estudiosos tem indagado sobre os questionamentos que psicólogos vem formulando há muitos anos.

De acordo com o historiador de psicologia  Morton Hunt, um experimento  realizado pelo Rei do Egito, aproximadamente 700 anos antes de Jesus Cristo, pode ser considerado como sendo o primeiro experimento em psicologia (Hunt, 1993, p1). O rei quis testar se os egípcios eram em fato o povo mais antigo a habitar a terra. Sua idéia foi, se crianças crescessem em completo isolamento deste o período da infância e não fossem dadas instruções em linguagem de qualquer tipo, então, a linguagem que eles, inevitavelmente, e espontaneamente falariam, seria  a linguagem original da civilização humana, preferivelmente a linguagem egípcia, pois ele julgava a civilização egípcia, como sendo a primeira civilização. O experimento, em si, foi imperfeito, porém, o rei merece algum crédito pela sua idéia de que os pensamentos e linguagem provem da mente e também pelo fato de ele ter tido a ambição de testar tal idéia.

Tipicamente, historiadores apontam para as escrituras dos antigos Filósofos Gregos, como Sócrates, Platão, e Aristóteles como os primeiros trabalhos significantes e que contem conteúdo relacionado com a psicologia. Os filósofos gregos consideravam importantes perguntas como, por exemplo, o que é livre arbítrio, como a mente trabalha, qual é o relacionamento do indivíduo com sua sociedade. Por centenas de anos, filósofos continuaram a ponderar sobre estas perguntas, e eventualmente, sobre a própria psicologia.

A psicologia evoluiu muito desde seus primórdios, e poder correlacionar sua história com outros grandes eventos da humanida, nos propicia a oportunidade de um entendimento mais profundo das influências sofrida pela psicologia que tiveram sua etiologia, muitas vezes, em áreas de conhecimento e eventos aparentemente não realacionados. Assim, aqui fica meu convite para esta facinante viagem pela linha do tempo da psicologia.

Edvaldo de Olveira Leme